UM OLHAR SOBRE A PESCA EM ANGOLA

Desde os primórdios da humanidade que o homem se dedica a pesca como fonte de alimento para a sua família e comunidade, mais tarde e porque nem todos se dedicavam a esta actividade o homem começa a pescar grandes quantidades de peixe para fazer permuta e posteriormente comercializar.

Com o passar dos tempos e o evoluir de um conjunto de circunstancias e técnicas, o homem começa a praticar a pesca como meio de distracção, nascendo dai o que hoje se conhece como pesca desportiva, ou seja a pesca sem qualquer fim lucrativo.

A pesca desportiva começa por aparecer sobe a forma de pesca de lançamento de costa (ainda hoje a mais praticada em todo o mundo), e só depois, com o aparecimento dos barcos de pequeno porte se começa a praticar a pesca de fundo e mais tarde a pesca ao currico.

Angola como pais costeiro que é e com uma fauna marinha rica e diversificada, é um pais com longa tradição na pesca desportiva, sendo mesmo um local escolhido por muitos estrangeiros para a pratica deste desporto.

Em termos de competição desportiva antes da independência ainda a poucos registos daquilo que foi feito, por outro lado o pós independência esta bem definido ( embora apenas em termos de pesca ao currico ), com o Clube ADM ( associação do desportos do mar ) a realizar os seus primeiros concursos internacionais no inicio da década de 80,

Seguindo-se o Clube Naval de Luanda e o Clube Náutico da Ilha de Luanda ( Ex-Nun'Alvares).

A partir da década de 90 dois nomes se destacam na organização da pesca desportiva, nomeadamente Ernesto da Costa Ferraz ( Direcção da Proquímica ) e Iain Nicolson representante em Angola da IGFA ( associação internacional de pesca desportiva ) organismo que tem a função de regulamentar a pesca desportiva em todo o mundo.

A estes dois nomes poder-se-ia dar o nome de OS PAIS DO BIG GAME ANGOLANO

( Big Game – pesca aos peixes de bico ), pois e graças a estes homens com H grande , se começa na década de 90 o Big Game em Angola, com o já internacional TROFEU PROQUÍMICA.

Este trofeu que inicialmente começou com dez provas anuais tem hoje 8 provas. Com o inicio de época em Outubro o trofeu decorre nos meses seguintes por ser o período do ano com maior afluência de peixes de bico na costa angolana; Falar deste trofeu traz-nos a memória nomes como os manos Nicolson ( equipa Marlinheiros ), que venceram vários Trofeus Proquímica e que são os detentores do record nacional com um Marlin de 428 Kg pescado a 14 de Março de 1998, Toninho Albuquerque ( equipa Candengues ) vencedor de uma edição, Né Ferraz, Paulo Borges e Jorge Russo ( equipa Peixe Frito ) também vencedores de uma edição, Eduardo Mota, outro homem com H grande na pesca desportiva em Angola ( equipa Catembeiros ) vencedor de varias provas, José Manganga e Helder Cruz ( equipa Jucula o meso ) actual maquina vencedora das provas do trofeu 2002/2003 e campeã em titulo.

A par  do trofeu proquimica continua a decorrer anualmente, apenas com uma prova por ano, o CONCURSO INTERNACIONAL DE PESCA AO CURRICO do ADM que é neste momento o concurso mais antigo do pós independência, prova esta que a partir do ano desportivo 2003/04, passa a fazer parte do calendário de provas do trofeu proquimica, graças aos esforços de Fernando Santos e Eduardo Moreira ambos pescadores do ADM e também grandes impulsionadores da pesca desportiva.

Contudo ventos novos continuam a soprar e é assim que no ano de 2002 o Grupo César e filhos lança pela primeira vez e em alusao a mais um aniversario do grupo o TROFEU MABOQUE, que esperamos todos tenha continuidade nos anos seguintes.

Mas nem tudo é Big Game, pois angola não tem só peixes de bico, assim e com o novo milénio começam a aparecer outros concursos de pesca desportiva em Angola e é assim que a empresa MANGAIS S.A.R.L., realiza em Dezembro de 2002 o primeiro concurso MANGAIS TARPON INVITATIONAL 2002, o primeiro concurso ao peixe Prata na Barra do Kuanza, este concurso que contou apenas com pescadores residentes, pós em prova cinco recordistas do mundo, todos eles com os feitos conseguidos em Angola; A equipa Birrentos de Nuno Silva ( Recordista do mundo da Macoa ) foi a justa vencedora deixando para segundo lugar os Tubarões de Marco Couto ( recordista do mundo do Barbudo ) e em terceiro lugar os Marlinheiros dos recordistas do mundo Iain Nicolson ( Veleiro ) Cam Nicolson ( Macoa ) e Bernadeth Nicolson ( veleiro ).

A pesca desportiva em Angola não passa apenas por concursos de pesca ao corrico nem aos peixes de grande e médio porte, e é nessa óptica que o Clube Náutico da Ilha de Luanda lança em Fevereiro de 2002 o primeiro concurso aos Parguetes NAUTICO CARLSBERG, na baia do Mussulo. Este concurso conheceu já a sua segunda edição em 2003, onde Marco Couto ( recordista do mundo do Barbudo ) foi o justo vencedor, a par disto e já em agosto de 2003 o Clube Náutico da Ilha de Luanda lança também o seu primeiro concurso de pesca de lançamento de Costa, que se realizou na praia do Cabo de S. Brás, tendo reunido mais de quatrocentas pessoas entre pescadores e amigos. Neste concurso a equipa Os Catanas foram os justos vencedores.

Não seria justo terminar-mos sem antes recordar que os três últimos concursos ( o dos Mangais, o do Náutico Carlsberg e o de lançamento ), bem como os três ultimos anos de trofeu Proquímica mostram ao mundo outro homem com H grande, Horário Pina do Clube Náutico da Ilha de Luanda que se tem mostrado um verdadeiro cruzado na batalha da pesca em Angola.

TAG AND RELEASE

Tag and Release expressão inglesa que em português que dizer marcar e largar, é uma técnica que está a ser usada com a finalidade de proteger os peixes de bico da extinção.

Como é do conhecimento geral a pesca industrial tem feito nas ultimas decadas capturas indiscriminadas em todo o mundo, levando algumas espécies a entrarem na linha vermelha do perigo de extinção. Este perigo abrange também os peixes de bico, como o Marlin Azul, Marlin Preto, Marlin Branco o Veleiro do Atlântico, Espadarte etc,etc.

 

Assim e com a finalidade de proteger estas espécies, aparece nos Estados Unidos da América, na década de 80 a BILLFISH FOUDATION, que cria o TAG and RELEASE técnica que permite pescar um peixe e marcar com um pequeno turbino de plástico que contem um numero de identificação e logo de seguida larga esse mesmo peixe, permitindo assim que este continue vivo e no seu habitat natural.

 

Esta marca que se coloca no peixe permite estudar os peixes de bico no seu comportamento, crescimento e migração.

Angola pais de gente boa, abraçou esta técnica, e quer em concursos quer fora deles as equipas a pescar em aguas Angolanas tem feito com frequência  o Tag and Release. de recordar que no ultimo concurso do ADM foram marcados e soltos 4 Veleiros e 1 Marlin, não tendo sido morto qualquer peixes de bico o que da um saldo positivo de 100% de peixes marcados e soltos, o que nos leva a dizer BEM HAJA A TAM BOA GENTE.

Nuno Silva


CopyRights © ClubeNautico.org